Postado 05/01/2017 por Daniel Farkuh

Saiba o que é preciso para seu carro ser considerado uma relíquia

Manter a própria coleção de automóveis — ou apenas um — com peças originais e considerado um carro relíquia: todo apaixonado por automobilismo tem esse sonho. É possível realizar esse desejo, principalmente se você possui um veículo com 30 anos ou mais de fabricação ou pretende adquirir um.

No post de hoje, você saberá o que é preciso para tornar seu carro uma relíquia. Acompanhe!

Como ter um clássico

Ter um clássico é sinônimo de estilo, mas também de muitas críticas por parte de algumas pessoas. Afinal, quem é proprietário de carros com 30 anos de fabricação ou mais certamente já ouviu algo do tipo: “Que carro velho! Só você para gostar disso…”.

O fato é que um apaixonado de verdade por automobilismo sabe o valor que é ter um carro antigo e único. Mas, não basta ter o carro: é preciso um pouco mais para que ele seja considerado um verdadeiro clássico.

Diferença entre carro antigo e carro velho

Para você rodar com um carro antigo ou tê-lo em sua garagem, é preciso que ele seja bem diferente de um carro velho. Este último não tem manutenção ou cuidado. Já um clássico seguirá certos critérios, tais como:

  • Ser fabricado 30 anos ou antes;
  • Apresentar todas as características originais (ou até 70% de originalidade em alguns casos);
  • Assumir uma manutenção de qualidade;
  • Estar em perfeitas condições de funcionamento;
  • Ter aparência impecável, com pintura em dia, pneus e tudo o mais.

Alguns proprietários podem também requerer a placa preta, que atesta o fato de o carro ser um clássico original. Além disso, é possível obter o laudo de originalidade junto a um dos clubes de carros antigos, que são cadastrados no Detran.

Os carros antigos no Brasil

No Brasil, é comum que os carros modernos sejam trocados periodicamente. Não é o caso dos clássicos, que se apresentam como únicos e com muita personalidade. Os mais cotados para quem quer ter um carro relíquia são Challenger, da Dodge; Maverick, da Ford; Kombi, Passat e Brasília, da Volkswagen.

Ainda que a restauração de alguns modelos seja muito difícil, pois é complicado achar as peças originais principalmente para os veículos genuinamente brasileiros, vale muito a pena o desafio — sem contar que justamente essa raridade valoriza o automóvel ainda mais.

O investimento em um carro relíquia

Para aqueles que querem fazer do hobby e da loucura por carros um investimento para posterior venda, pode-se dizer que vale a pena ter um antigo. Quem ditará o preço do seu clássico serão dados como ano, modelo e estado de conservação do veículo. Em geral, também são mais valorizados os automóveis raros e que se aproximam ao máximo do original de fábrica.

Para manter o seu carro relíquia, existe uma vantagem para alguns casos: estar dispensado do IPVA. Outro benefício para quem quer investir em carros antigos está na participação de eventos e concursos dessa área.

Existem vários prêmios possíveis para quem tem seu automóvel. Nos EUA, por exemplo, acontece todos os anos uma das exposições mais famosas, chamada Pebble Beach Concours de Elegance, onde é possível se deparar com os carros mais valorizados e raros em nível mundial.

Um carro relíquia chama a atenção por onde passa, ou mesmo antes, com o ronco característico de seu motor que faz girar a cabeça de todo aficionado por automobilismo.

Além disso, todo carro antigo tem uma história para contar e reflete muito de seu dono. São anos conservando, consertando, limpando… Sem contar os momentos de curtição — e até de terapia — junto ao seu carro.

Gostou de saber mais sobre como conseguir ter um carro relíquia? Aproveite e conte para seus amigos sobre isso, compartilhando esse conteúdo nas redes sociais!