Postado 07/11/2016 por Daniel Farkuh

Gol GTI: um dos esportivos mais admirados do Brasil

Uma lenda entre os amantes de carros clássicos e de esportivos nacionais, o Volkswagen Gol GTI fez história ao trazer inovações tecnológicas e se posicionar como um dos veículos mais nervosos já construídos no país.

Primeiro carro feito no Brasil a possuir injeção eletrônica e equipado com um motor AP-2000 de 112 cv, o GTI, logo em sua primeira versão possuía um desempenho impressionante, atingindo 180 km/h e se tornando o carro mais rápido do país na época.

Quer conhecer um pouco mais sobre esse clássico? Continue a leitura!

A história do Gol GTI

No início da década de 80, a Volkswagen já havia lançado o primeiro modelo do Gol, um carro popular leve, que tinha a missão de substituir o Fusca. Em 1984, no entanto, buscando competir com o Ford Escort XR3, a fabricante lança sua versão esportiva, o Gol GT (Gran Turismo).

Em 1986, o modelo passa a ser equipado com o motor AP (Alta Potência) refrigerado a água, que seria a base para uma longa família de motores da marca. O Gol GT conseguiu deixar para trás as críticas relacionadas ao fraco desempenho da primeira versão e se tornou um sucesso.

No ano seguinte, já era o carro mais vendido do país. Embalada pelos bons resultados, a Volkswagen decidiu inovar e revolucionar de vez o mercado nacional. Assim, em 1988, a Volks apresentou o primeiro carro produzido no Brasil a contar com injeção eletrônica de série, o Gol GTi.

As características do Gol GTi

Lançado em edição limitada a apenas 2.000 unidades e somente em uma cor (Azul Mônaco), o GTi tinha cara e desempenho de carro esportivo.

Equipado com faróis de milha (como no modelo GT), para-choques e molduras laterais cinzas, rodas de liga leve aro 14 e um moderno aerofólio traseiro, o Gol foi o carro mais rápido do país na época de sua fabricação.

Isso se devia a seu motor AP-2000 de 112 cv, que desenvolvia 17,5 mkgf, somado ao fato de ser um carro leve, com apenas 970 quilos. Essa combinação o fazia ir de 0 a 100 km/h em meros 10 segundos.

Equipado com uma injeção multiponto Bosch LE-Jetronic, o modelo foi o início do fim dos motores a carburação no Brasil.

Novas versões do GTi

No início da década de 90, a Volkswagen resolveu reestilizar sua linha, que já incluía a Parati, a Saveiro, o Voyage e o Gol. A grade ficou menor e os faróis mais estreitos, mas a mudança mais emblemática para o Gol GTi foi a adoção das famosas rodas “Orbitais”.

Em 1994, a fabricante produziu aquele que é considerado o melhor Gol “quadrado” de todos: o GTi 2.0 com direção hidráulica. Além da direção, o modelo vinha com ar-condicionado, travas, vidros e retrovisores elétricos, revestimentos em couro na manopla e no volante, entre outros itens luxuosos, além dos já consagrados bancos esportivos Recaro.

Porém, é com a mudança de geração da família Gol que o GTi chega ao seu auge de desempenho.

De GTi para GTI: uma mudança maiúscula

O lançamento do último modelo de Gol “quadrado”, em 1994, também marca a evolução dos carros da Volkswagen para uma nova geração de design arredondado.

Assim, nesse mesmo ano, foi lançado o Gol apelidado de “bolinha”. Em 1995, a marca revive a sigla esportiva GTi, agora com uma modificação: passa a ser GTI, de International, afinal, a injeção eletrônica já não era mais uma novidade.

Foi então que, para um upgrade do Gol GTI, a Volkswagen trouxe o novíssimo motor 2.0 de 16 válvulas, com cabeçotes do Golf e caixa de câmbio do Audi A4. O motor era tão poderoso que o capô precisou ganhar uma bolha para acomodar os cabeçotes.

Nascia, então, o GTI 16V, o mais poderoso Gol já produzido, que desenvolvia 141 cv e podia alcançar mais de 206 km/h.

Assim, o Gol GTI pode até não ser um dos carros antigos mais desejados, porém, é uma lenda quase unânime entre os amantes dos clássicos. Por suas inovações tecnológicas e seus recordes de desempenho nacionais, o GTI escreveu para sempre sua página na história do automobilismo no Brasil.

E você, o que acha do Volkswagen Gol GTI? Conte pra gente nos comentários!